CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

MULHERES DE TODOS OS TIPOS




Há mulheres de todos os tipos, com cores de vários sabores.
Mulheres cantoras, mulheres cantadas nas vozes de muitas canções.


Tem as ordinárias, princesas, malandras e as caras de pau. Trabalhadoras, lutadoras e batedoras de carteiras, honradas e desonestas. Tem as que valem menos e outras que menos prestam.


Mulheres gordas, magras, inteligentes e as que são mulas. Algumas são portas, outras tortas, recatadas, arreganhadas... Orgulhosas, mesquinhas, falsas e as das janelas - ‘sabedoras de tudo’.


Tem as Luizinhas, as burguesas ( assunto catártico para crônicas) as ‘ex’ e muitas “esas” que não se põem à mesa.


Umas trazem a Bíblia no coração, muitas a trazem no sovaco e tantas não têm nem fé. Tem as de saias curtas e outras bem mais compridas para terem o prazer de demorar mais para erguê-las.
Tem umas que são lesas, outras se fingem de espertas. E tem as normais sobre quem ninguém quer escrever, porque não causam inspiração alguma.


Umas são Brancas de Neve, outras Adormecidas no casulo sagrado, viram borboletas. Todas têm vagina, mas certas preferem ter outra coisa que melhor lhes agrade.
Ave Maria! Tem também! Bruxa, desordeira, borralheira, cachaceira, trepadeira é a melhor como companheira de alpinismo. Anarquista?! Metralhem!


Tem as todas benditas, protetoras, mãezonas. Tem as que moram em casas, outras... em qualquer lugar. Tem as estudantes, as professoras... Tem as que ensinam e as que não aprendem nada.


Nossa! Tem de todo quanto é jeito. Esposa, amante, filha, irmã e para piorar tem a sogra. Mulher criada. Mulher sarada, siliconada, tarada, mal amada, abandonada, malhada, surrada, suada, cheirosa, fedida, coitada... tem as que se danam!


As grã-finas têm bom gosto para tudo, as “grã-grossas” têm o seu próprio gosto, e que ninguém se intrometa com ele, senão leva facadas.
Mulher xelelenta, rabugenta, nojenta e tem você e eu, uai!


Tem mulher que é a flor do jardim, muitas são as tiriricas que veneno nenhum consegue dar cabo. Milhares tomam conta do rabo de saia, dos outros, porque queriam que os rabos fossem delas. Tem as caluniantes e as caluniadas. Há aquelas que sentem a inveja branca, e outras de línguas pretas. Mas tem a amiga, a companheira, a mulher pastel que não tem nada por dentro, e tem a parideira, sempre recheada. Tem as tais ‘frutinhas’. Cada canhão!


Profissional é a que mais tem no mercado. Tem as poliglotas e as que são apenas bilíngui mesmo por ajuda da natureza. Tem as que causam medo por sua liderança, e as que vivem com medo de perder o seu’ posto’ para elas.


Tem as capetas que só fazem o mal , mas são boas à beça!

As que são doenças, só querem fazer doer, fazem dos homens cachorros loucos, para o osso delas terem que roer.


Tem as que fazem rimas pobres e outras que não rimam com nada, nem combinações suportam, vivem peladas mesmo para refrescarem o fogo da alma por falta de uma mangueira que as resolvam.


As lindas se contrapõem às horrorosas, mas o que é belo ou feio em relação à mulher?


Quer saber? Mulher é assim mesmo. Tem de todos os tipos, mas se a quiser melhor, que vá procurar outra espécie.

RITA LAVOYER




Imagem: fotografandovida.com

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

DIA DA MULHER.




“Pode-se julgar o grau de civilização de um povo segundo a situação social que nela usufrui a mulher.” Sarmiento. Argentina, 1872.

Dia 08 de março comemora-se o “Dia Internacional da Mulher”.
Dia 30 de abril, “Dia Nacional da Mulher”.
Sabemos que datas comemorativas, muitas vezes, são em homenagens aos que sofreram pagando com a própria vida. Mas não há mulheres, homens e crianças pagando com a própria vida todos os dias sem sequer saberem as causas de seus martírios? Homenagear o ser humano todos os dias não seria o mais correto? Será isso possível? Na falta de respostas vamos direto a alguns fatos.
Algumas ainda dizem:
_ Hoje não! Estou com dor de cabeça!
Os homens da idade da pedra, para conseguirem dominar as mulheres, que muitas vezes os rejeitavam, faziam uso de pedras ou qualquer objeto que lhes servissem de porrete. Acertavam a cabeça das vítimas até que elas desmaiassem e assim as possuíam. Primeira lei do homem: a força.
Quando uma ou outra sobrevivente recobrava-se do ataque urrava “hu!hu!hu!”
Como ainda não tinham conhecimento das palavras, o primata achava que aquela sua semelhante havia gostado da coisa e acertar a cabeça das presas dando lhes pancadas passou a ser rotina, e assim aconteciam os acasalamentos. Que pena a rotina ainda se repetir em alguns cantos tão próximos de nós.
Hoje, o correto é fazer uso de expressões que se enquadrem ao contexto nacional.
“Hoje não! Estou com dengue” ou “Meu judiciário está indecoroso!” Há tantos problemas, escolher um atualizado para você não se acasalar não será difícil.
Essas datas comemorativas precisam se aproximar mais de nós. Além dos dias “Internacional, Nacional da Mulher”, o correto é o
“Dia Municipal da Mulher”,
proponho até o dia : 02 de Fevereiro, véspera de São Brás, para que todos lembrem-se de que uma mulher nunca deverá ficar engasgada com suas vontades, e também aproveitar para tirar folga de tudo. Será o dia em que a população masculina trabalhará mais. Quer ver?
Nesta data a mulher vai dizer, dependendo da situação em que se encontra a cidade onde mora, se for araçatubense, por exemplo, dirá:
_ Hoje não! Estou com dor nos buracos.
Ai, ai, ai! Que barbaridade de metáfora!
Se isso pega, meu amigo, marido de verdade vai sair de pau nas mãos para acertar a cabeça daqueles que não tomam providencias para solucionar os problemas a que se propuseram resolver. Parece que já estou ouvindo vizinhos chiarem.
Está vendo o poder das mulheres? Lisístrata, de Aristófanes, pensava assim também. Achava que a mulher tinha o poder de acabar com a guerra. (O que proponho não é nenhuma guerra, por favor) É só colocá-lo em prática e mandar os homens trabalharem. Mexa com o brio deles para ver se as coisas não começam a funcionar. Está certo que uns e outros se voltarão contra essa idéia, afinal de contas cada um vê o buraco de acordo com o seu anglo, e algumas mulheres continuarão levando na cabeça por causa de homens mal resolvidos.
Vão me dizer que incito a violência?!
Verdade, isso não é nada civilizado. Mas que um dia Municipal da Mulher vai cair muito bem, ô como vai!
Infelizmente ainda há mulheres que continuam sendo objetos dos sagazes, pisoteadas em suas intimidades tendo os seus ideais castrados a olhos nus. Elas acabam, depois do holocausto, sendo artigos de pesquisas e números de estatísticas.
Que bom seria se fossemos mais civilizados e que datas especiais não precisassem ser criadas para chamar a atenção ou para homenagear pessoas que perderam suas vidas em situações desumanas, em especial crianças e mulheres. Mas... segundo a situação social da qual fazemos parte, as datas-homenagem ainda se fazem necessárias.
Não queria “uma data especial para mulheres”. Quero os meus dias a todo instante e a todas as mulheres na mesma proporção.
Parabéns por todos os instantes do seu dia, mulher, homem que se faz respeitar e a todas as crianças que tornam os momentos de mulheres e homens muito mais significativos.
Parabéns aos dias de ontem, de hoje e de amanhã que pertencem à mulher, porque neles “há o nós”, sem os quais não haveria razão alguma para o amanhecer e nada a comemorar e, obrigada Senhor pela força que nos dá, a todo instante, para vencermos as pedras dos nossos caminhos, edificando assim o nosso espírito para que, com ele fortalecido não fiquemos indiferentes diante de tantas injustiças cometidas contra todos nós, todos os dias.

Rita Lavoyer

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

AMANHÃ E HOJE



Hoje eu não vou ficar triste, porque eu sei que amanhã vou ficar bem alegre.

Sei que há um menino com cabelos da cor de mundo, igual a plantação de gente, que virá sempre visitar-me. Como eu sou uma raposa, o meu amigo não, ficarei feliz amanhã, porque eu sei que ele estará sempre presente.

Amanhã é a continuação do hoje para quem tem um amigo, ainda que num campo de guerra. Nosso relógio não registra o tempo passando, registra apenas a nossa união. Rita Lavoyer

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

O FILHO



A esposa era o amor da sua vida.


Desejavam o filho.


Queria o bebê para selar eternamente a união.


Ele, nela não gerava.


O esposo achava que, por sua ejaculação fraca, não pudesse


gerar uma criança com o amor que a mulher merecia.


Com medo de que seu leite não chegasse à terra fértil, numa alucinação,


abriu o peito da amada e despejou todo o seu prazer no músculo que palpitava.


Aquele sangue bebeu a vida do bebê.

Rita Lavoyer